Native Ads: Saiba o que é e como planear!

Tendências

|

14 de agosto de 2020

|

4 minutos de leitura

Os native ads, ou publicidade nativa, distinguem-se de outros anúncios online e hoje vamos explicar-lhe o porquê, como estruturar e também quais os principais benefícios deste tipo de estratégia para o seu negócio.

 

Nativa Ads - Definição

Baseados em conhecimento relevante para os leitores, os native ads encontram-se, habitualmente, em sites de notícias, feeds na página inicial, na barra lateral de um artigo, blogs ou no feed das redes sociais, como recomendações. Por norma, os que geram mais resultados são os que aparecem no final de um artigo ou no meio do conteúdo.

Trata-se de um tipo de publicidade menos intrusiva do que banners, capaz de desenvolver uma conexão emocional com a audiência, ao contrário dos anúncios diretos.

Os principais objetivos dos native ads são a geração e nutrição de leads, a subscrição de newsletters e a compra. Tudo numa estratégia de content marketing.

Para perceber melhor como tudo funciona, veja o seguinte exemplo:

Com as férias de Verão a aproximarem-se, decide pesquisar sobre destinos nacionais e encontra um blog com dicas e lugares interessantes. No fim do artigo, aparece uma call to action com o título: “Os 5 melhores hotéis da Costa Alentejana”. Essa pode ser a resposta ideal para o que procura e acaba por clicar no anúncio para saber mais informações.

 

 

Como planear uma campanha de native ads?

Definimos alguns passos essenciais:

 

Defina o seu público 

Para os native ads, assim como para outras estratégias de divulgação da marca, é fundamental ter conhecimento do público-alvo que se pretende atingir. Esses dados permitem planear devidamente os anúncios, desde a linguagem utilizada ao assunto abordado.

Para isso, é necessário saber quem são e como são os potenciais interessados (potenciais clientes) nos produtos ou serviços do seu negócio.

A criação de uma buyer persona, como a personificação do cliente ideal, potencia o retorno do investimento em Ads.

  

Escolha assuntos relevantes

Numa estratégia de marketing de conteúdo, é fundamental perceber o que é que o seu público quer saber, quais os temas mais interessantes e atuais e de que forma os pode encaixar na sua página.

Através do native content vai conseguir captar a atenção dos utilizadores, mas para isso é necessário responder a um problema. Obtenha informação relevante e use-a em benefício do seu negócio. Uma plataforma de gestão e aquisição de leads assume aqui um papel relevante.

 

Conheça os canais de comunicação utilizados 

Uma campanha de native ads pode estar presente em diferentes canais, como sites, blogs ou redes sociais.

Para conseguir atrair as pessoas certas, deve saber quais são as fontes utilizadas pelos alvos na pesquisa de informação para que, dessa forma, possa criar os anúncios nessas plataformas e obter melhores resultados.

 

 

Os 3 benefícios dos native ads para os negócios:

  

1. Promove uma experiência agradável  

A partilha de informação relevante e de interesse para o público-alvo faz com que o utilizador não se sinta obrigado a visualizar um produto ou até mesmo a comprá-lo. No entanto, é motivado a saber mais, pois aquela informação faz sentido naquele contexto.

 

2. Atrai novos visitantes

A publicidade nativa promove a geração de leads: visitantes que até ao momento não conheciam a marca, convertendo-os em potenciais clientes.

 

3. Alta taxa de aceitação

Considerando que o utilizador já está enraizado no conteúdo da página, torna-se mais fácil de aceitar informação complementar, havendo uma maior probabilidade de visualizar e clicar na campanha.

E isso é mensurável. Aliás, essa é uma das vantagens do meio online. Aplicam-se aqui, com alguma facilidade, as métricas do marketing digital, nomeadamente o CTR (Click-through-rate) ou Taxa de Cliques, aos anúncios e em especial aos native ads.

 

Se gostou de ler o artigo, subscreva a newsletter da Closum para saber mais.

"Passamos muito tempo em geração de leads e não o suficiente em relações a longo-prazo."

Mike King, fundador da iPullRank